Julka Bałaganiara e a fada mais verdadeira

Julka Bałaganiara e a fada mais verdadeira

A pequena Julka estava sentada em seu quarto chorando. Sua voz estridente foi ouvida pela velha passando por sua janela. E você ouviu, quem saiu com o cachorro para passear. E mesmo os vizinhos dois andares acima podiam ouvir. O soluço suave rapidamente se transformou em um grito insuportável. Mamãe tentou acalmar a menina, mas ela não queria ouvir nada. Para tudo, o que mamãe disse, Julka teve seu próprio argumento.

– Julka, limpar. - mamãe disse mais uma vez.

– Não consigo limpar! - Julka gritou cada vez mais alto.

– O suficiente, que você colocará todas as suas roupas e brinquedos em seus lugares. Não é difícil.

– Não! eu não sei, onde estão os sapatos de Emilki! - A menina estava segurando sua boneca favorita contra ela. Ela estava brava, e ela chorou ao mesmo tempo. - Eu quero eles! Agora!

– Os sapatos são muito pequenos, para você encontrá-los nessa bagunça. Quando você juntar as suas coisas, com certeza elas serão encontradas, você verá. - minha mãe argumentou. Foi outro dia, quando ela tentou mostrar a filha, que se ela tivesse pedido em seu quarto, ela sempre saberá, onde estão as coisas dela. Este, no entanto, não queria ouvir. Ela estava sentada no meio da sala, entre brinquedos e roupas espalhados. Por toda a montanha de coisas dela, você não conseguia nem ver o tapete fofo.

– Não vou encontrar, Eu já estava olhando! Eles não estão lá! - Julka não queria ser persuadida. - me limpe! - gritou ela com a mãe.

– Você já pode se limpar. Você já é uma menina crescida. - Mamãe respondia todas as vezes, quando a garota começou a gritar ainda mais alto. - Agora, não há nenhum lugar para sentar no seu quarto, Veja.

– E daí?! A menina ainda estava chorando. - Que venham as fadas de um conto de fadas e me limpem! Isso é chato! Onde estão os sapatos de Emilkiiiiii?!

– O que você quiser, Eu posso te contar, onde você tem o que guardar. - sugeriu mamãe. - Podemos brincar de limpeza ...

– Não! Alguem me encante com ordem! - Julka batia os pés e não conseguia ser persuadida pela mãe, que quanto mais cedo ela limpar, mais cedo ela poderá vestir os sapatos da boneca e continuar brincando. Então minha mãe foi para a cozinha, preparar o jantar. O grito da garota ainda foi ouvido por toda a propriedade ...

***

– Quem está gritando assim?? As minhas orelhas! - Um momento depois, um baixinho gordo com asas azuis pousou no parapeito da janela. - ai! Ela fez uma cara azeda
e esfregou as orelhas dela. Em vez de uma varinha, ela estava segurando um pequeno guarda-chuva na mão.

– Você é… – Julka não podia acreditar, quem ele vê. Seus olhos se arregalaram e ela se moveu lentamente em direção à janela, afastando todos os brinquedos, que ela tinha espalhado no chão.

– Então, Eu sou uma verdadeira fada! Todas as crianças reagem assim, quando eles me veem. Eu sou o mais verdadeiro! Mas realmente, às vezes eu prefiro viver em um conto de fadas, porque lá as fadas de alguma forma têm menos trabalho - elas agitam sua varinha e há uma carruagem ou um vestido - é isso, todo o esforço deles! E eu? Eu trabalho muito duro! E eu não tenho uma varinha! A fada tirou o pó do pequeno guarda-chuva verde e colocou-o no parapeito da janela, continuando a falar muito rápido. - Está chovendo! Eu fiquei completamente molhado! Filho amado, algo que você fez, que você chora tanto e grita tanto?
Eu devo estar surdo agora! Meus pobres ouvidos!

Julka não sabia, o que dizer, então ela estava apenas olhando para a pequena mulher em sua janela. Ela estava vestida com um casaco verde com muitos bolsos e botas da mesma cor.

– Não, o que aconteceu? - perguntou a Verdadeira Fada novamente. - Você tem que me dizer rápido, Eu vim aqui de propósito, e acredite em mim, não é divertido atravessar com tanta chuva! E, até meus sapatos estão encharcados! Me liga bem aqui, por que você está chorando tanto!

– Eu perdi os sapatos da minha emilka. - Julka disse calmamente. - Eles não estão em lugar nenhum.

– Você estava olhando? A fada ergueu uma sobrancelha.

– Eles não estão lá! Eles estão longe de ser encontrados! A menina estava ficando nervosa de novo.

– Eles estão definitivamente aqui em algum lugar.

– Não há! Não há! Desaparecido! Julka, nervosa, começou a acenar com as mãos. - Eles não estão em lugar nenhum!

– Eu também não os veria aqui. Brinquedos no chão, um livro na parte de trás da cama, meia na lâmpada! O que você quer encontrar aqui?

– Sapatos Emilkiiii!

– Mas como, Conte-me. - disse a fada verde com naturalidade e ajeitou os cabelos desgrenhados. A menina ficou em silêncio. - Não, como você vai encontrar esses sapatos?

– eu não sei. Me encante com ordem! Julka torceu o rosto.

– Não, não, não me deixe com raiva de novo aqui ou chore! - A fada bateu o pé. - Me encante, encantar… Você tem alças, meu querido. Você espalhou tudo, então agora tem que ser limpo. Não há mágica, porque isso seria muito fácil. As fadas não podem simplesmente gostar disso, correr de uma garota para outra e limpar o quarto dela. Nós realmente temos muitas outras coisas para fazer. Temos que colorir o arco-íris, pintar o pôr do sol, faça lindos sonhos, conjurar sorrisos! É um trabalho duro, Meu amor! Você já viu, como é pintado um arco-íris? Milhares de pequenas fadas vêm e espalham pólen colorido no céu! Então minhas asas doem tanto, que devo deitar por meia hora e descansar. E eu tenho que beber o chá fortificante de framboesa! Mas tudo vale o sorriso das pessoas, vale a pena ... adoro olhar, como as pessoas sorriem! – A fada sorriu. – Mas eu ja apareci, bo och ..., voce gritou muito, muito!

– Como voce veio aqui? - perguntou Julka.

– eu cheguei. - E a Verdadeira Fada se transformou, mostrar as asinhas a Julka. - Afinal, seu grito iria acordar os tigres na floresta brasileira, filho! Até o meu besouro se escondeu debaixo da banheira de tudo isso!

– Que besouro? – Julka não estava mais chorando. Todas as lágrimas estavam secas em suas bochechas. Ela ficou tão surpresa e surpresa com isso, o que estava acontecendo, que ela esqueceu de chorar.

– Não, Besouro. As pessoas têm cavalos ou cachorros, pequenas fadas têm besouros, joaninhas ou sapos.

– Aha ... – Julka começou a rir, e seus cachos castanhos saltaram alegremente em torno de seu rosto.

– Você é uma menina muito bonita, quando você ri - A fada mais verdadeira notada. - O que você quiser, Eu posso te ajudar um pouco. Uma vez ... você verá, que limpar não é nada difícil ...

– Mas você pode fazer mágica! Mostre-me algo mágico ...

E então a fada teve uma ideia ...

Um momento depois ela estava sentada no chão, ao lado de Julka. Ela puxou-o do bolso do casaco
e um relógio castanho e mostrei para a menina.

– Veja. Vamos fazer isso: Vou te dar dez minutos, pra voce limpar ...

– Não! Julka a interrompeu. - Você não pode limpar tão rápido! não posso!

– Pare! - A fada bateu palmas. Ela sabia, que as meninas podem ser muito teimosas às vezes. Mas ela também sabia, que eles podem limpar muito bem, eles só têm que mostrar isso. - Marcamos um encontro assim: Você vai me ouvir por um momento. Você tentará limpar a sala inteira em dez minutos. Mas eu vou te dizer, o que você tem onde colocar. Vamos brincar de limpeza ...

– Você fala, como minha mãe ... – Julka colocou a boneca ao lado dela. - Me encante com ordem! Enfeitiçar!

– Você fez, que os sapatos de Emilka sumiram? - perguntou a fada.

– Desaparecido. Julka acenou com a cabeça.

– Eu te prometo isso, isso quando você limpa, você verá magia real. A figura verde piscou. - Claro, como quiser…

Essas palavras fizeram, que Julka sorriu novamente:

– Nós vamos, Eu vou tentar. Mas haverá magia?

– Elas vão.

– Você promete?

– Haverá feitiços. Com certeza. A fada tirou uma pequena garrafa de chá de framboesa do bolso e tomou um gole. - Vamos começar. Eu acerto meu relógio ...- e definir um cronômetro em seu relógio para dez minutos. Então ela tirou óculos escuros de outro bolso do casaco, corais, cintilante com todas as cores e um microfone, E ela disse:

– Meu amor, limpa melhor com música. Normalmente, você pode ligar suas músicas favoritas, mas hoje vou cantar para você. Será uma musica mágica, onde ele limpa melhor. Ela limpou a garganta duas vezes, então ela colocou as contas e colocou os óculos, e então ela começou a cantar:

Tralalalalalalalala… É uma música mágica!

Agora os blocos voam para dentro da caixa,

Julka se move ligeiramente como uma névoa ...

Tralalalalalalalala… É uma música mágica!

Um tijolo verde e dois azuis

para a caixa atrás deste cachorro de pelúcia ...

– A verdadeira fada cantou e dançou, pulando de prateleira em prateleira.

Tralalalalalalalala… É uma música útil!

Você também tem que enterrar as bonecas duas vezes,

e também ursos de pelúcia o mais rápido possível!

Tralalalalalalalala… É uma música útil!

A prateleira mais baixa é a das bonecas,

acima há espaço para copos e raladores.

Julka estava arrumando recipientes de plástico, e a fada estava dançando, balançando as pernas e agitando as asas, do qual choveu pólen azul mágico.

Tralalalalalalalala… É uma música alegre!

É necessário, para que não saia voando da cabeça

colete lápis de cor, marcadores e lápis.

Tralalalalalalalala… É uma música alegre!

Julka também dobra a roupa,

o que tem estado deitado no tapete desde a manhã.

A menina pegou tudo rápido, sobre o que a fada cantou e colocou no lugar. Ela estava balançando ao som da melodia cantada por seu pequeno convidado. E ela nem percebeu, quando ela começou a se divertir, limpando.

Tralalalalalalalalala… A música acabou!

Falta um minuto, assim como ele encontrou,

pendurar as contas na mesa imediatamente.

Tralalalalalalalalalala, tralalalalalalalalalala!

E a mais verdadeira fada curvou-se, como uma estrela na televisão, e Julka começou a aplaudi-la.

– Você canta bem. - Ela sorriu.

– E você tem um bom quarto. Ambos olharam em volta. Tudo foi limpo. Nem mesmo uma meia, que Julka com raiva jogou todo o caminho para a lâmpada, ela conseguiu puxá-lo com uma raquete de badminton. Todas as roupas foram dobradas no guarda-roupa. Ursinhos de pelúcia e bonecas estavam sentados nas prateleiras, e os utensílios de escrita e pintura estavam sobre a mesa em canecas coloridas.

– Belas!

– Agradável… – Julka confirmou, orgulhosa de mim mesma.

– Você vê, você pode limpar. - disse a fada, colocando seu relógio e microfone no bolso.

– UMA…

– Você quer perguntar sobre feitiços? Onde está a surpresa mágica?

– Não, exatamente… – Julka não podia esperar.

– Haverá uma surpresa em breve. Primeiro, eu queria te dizer, que você fez um ótimo trabalho. eu acho que, aquela mãe ficará orgulhosa de você, quando você liga para ela, que ela veria um quarto tão bom. Eu acho que até seu irmão mais novo será capaz de jogar, co? Há espaço suficiente no chão agora. E você poderá ir ao seu berço, agora está limpo e nem todas as roupas estão nele. Agora você pode usar chá de framboesa. Estou te dizendo, ela faz, que um homem sorria e tem mais força!

Julka estava balançando a cabeça, concordando com a fada.

– Não, é uma surpresa agora. É realmente, você mesmo o conjurou. Olhe embaixo da cama ...

Julka foi para a cama e se abaixou. Ela riu alegremente em um momento:

– Sapatos da emilka! Eles não desapareceram!

E ela se virou, para agradecer a fada mais verdadeira, mas este se foi. Através de uma janela ligeiramente entreaberta, apenas gotas de chuva caíram. Julka foi até a janela, mas ela não viu mais a figura verde no casaco com muitos bolsos. Mas havia manchas de pólen azul esverdeado no parapeito da janela, e um pequeno besouro verde entrou por uma fenda na janela, para se esconder da chuva em um lugar quente.

– Julka, sanduíches e chá de framboesa! Venha jantar! Mamãe ligou da cozinha. E então Julka se sentiu como uma verdadeira fada, que trabalhou muito. Ela estava com muita fome, muito feliz e ela queria muito contar para a mãe dela, que o quarto dela está arrumado, o que ela mesma fez. Ela correu, então para a cozinha imediatamente, gritando:

– Mamãe, Eu posso encantar! Eu desencantei os sapatos da Emilka!

E até os vizinhos dois andares acima ouviram de novo ...

O autor do conto de fadas: Dagmara Kuprian